quarta-feira, 12 de outubro de 2016

EKKLESIA: CHAMADOS PARA O HAITI



Após completar seis anos de um terrível terremoto de magnitude 7.0 que atingiu o Haiti matando mais de 100 mil pessoas e deixando milhares de pessoas desabrigadas, uma nova catástrofe o atinge, desta vez foi o furacão Matthews que matou mais de mil pessoas e deixou cerca de um milhão e meio de pessoas em condições de extrema precariedade.

Nestas horas de dor e sofrimentos alheio, surgem aqueles que querem a todo custo desvendar os mistérios ou descobrir as razões pelas quais aquele povo vem passando por tamanhas adversidades. Enquanto uns tentam culpar a Deus outros afirmam que o próprio povo deve ser o culpado por algum ato de desobediência ou rebeldia cometido. Na verdade o que menos importa neste momento são as suas causas, mas a situação em que eles se encontram. Precisam de ajuda urgente; precisam sair deste estado de miséria física, emocional e espiritual.

Ainda que cheguemos a uma conclusão hipotética de que os Haitianos não tem buscado em Deus a solução para os seus problemas, o amor dEle é tão grande que jamais os abandonaria como já demonstrou inúmeras vezes com civilizações passadas; um exemplo deste amor incondicional foi demonstrado aos Assírios. Em um determinado momento da história (750 AC) eles se tornaram tão terríveis que eram temidos por todos os demais povos, pois os matavam com requintes de crueldade.  Deus ordena um homem chamado Jonas para que vá a cidade de Nínive e anuncie a todos os seus moradores que eles precisavam se arrepender e mudar o seu estilo de vida. A mensagem do profeta provocou mudanças severas em toda a população que foi perdoada e regenerada. A intenção aqui não é comparar os ninivitas com os haitianos, mas revelar a extensão do amor de Deus capaz de usar de todos os mecanismos para resgatar um povo por mais desprezível que pareça ser e por mais distante que esteja dEle.

Enquanto no Brasil as igrejas evangélicas lutam por espaços cada vez menores, o Haiti clama por profetas que, assim como Jonas, venham também a anunciar-lhes o caminho do arrependimento e da salvação. É indiscutível que todo o auxílio é bem vindo, eles precisam muito de ajuda humanitária, de recursos financeiros para poderem reconstruir o seu país, todavia, toda esta ajuda terá um efeito meramente temporário se não for trabalhado neles outras questões de ordem emocional e espiritual. A igreja brasileira pode e deve fazer isto, ao invés de ficarmos construindo templos nos mesmos quarteirões, poderíamos investir em outros lugares onde há reais necessidades da pregação do evangelho. A igreja contemporânea está para o Haiti assim como Jonas estava para Nínive.

Desta maneira, se visualiza o mesmo Deus, com a mesma intensidade de longanimidade e amor querendo mudar a sorte dos haitianos, a fim de poderem experimentar dias melhores, mais esperançosos, com menos tempestades, para isto a sua ferramenta hoje é a sua igreja, a noiva do Cordeiro. 

Juvenal Mariano de Oliveira Netto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu

Minha foto

Sou casado com Nilcéia e temos duas lindas filhas. Me alistei no Exército de Cristo a cerca de 25 anos atrás. Desde então meu alvo é agradá-lo em tudo o que faço. Meu maior prazer é anunciar as boas notícias do Senhor Jesus. Autor do livro "CRIANDO RAÍZES - Amadurecendo Espiritualmente".