sexta-feira, 11 de setembro de 2015

APRENDENDO COM UM ESTRANGEIRO SOBRE GRATIDÃO

           Narra-se a história de dez homens que perambulavam pelos arredores de sua cidade sem destino (Lc 17.11-19). Possuíam uma doença incurável e altamente contagiosa. As regras eram bem claras, qualquer portador deste tipo de enfermidade não poderia ter qualquer contato com as outras pessoas.

A fonte não revela há quanto tempo àqueles moribundos estavam doentes, entretanto pelas características desta doença, pode-se imaginar que estes homens viviam sem nenhuma perspectiva de vida, com uma baixíssima autoestima, tristes, isolados do convívio familiar, enfim, esperando da pior maneira a morte chegar.  
Em um destes momentos inusitados da vida, aqueles homens se depararam com uma pessoa diferente, mesmo a distância reconheceram quem era, a sua fama havia percorrido toda a região. Então se lembraram do que afirmavam a seu respeito: “Os cegos veem, os coxos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam... (Mt 11.5)”. Aqueles pobres homens raciocinaram rapidamente.
 - Este homem é a única saída para nós, se Ele já foi capaz de realizar tantos milagres, Ele pode também nos curar. Ele pode mudar o rumo da nossa história; sem pestanejar começaram a gritar: “Jesus, Mestre, tem compaixão de nós”.
O Mestre compadecido daquelas pobres criaturas resolveu curá-los, tirá-los daquela miséria ambulante; dar-lhes uma nova oportunidade de serem felizes, de retornarem para junto de seus familiares e terem uma vida normal.
Nove deles estavam tão extasiados pela cura e a possibilidade de terem suas vidas de volta que, se quer foram capazes de olhar para trás, só pensavam em correr para a cidade e voltarem ao convívio familiar. Não sabiam eles que havia algo ainda mais excelente que a cura daquela doença física. A ingratidão lhes roubara o direito de poderem conhecer também a cura da alma através daquele Homem-Deus.
A gratidão sempre nos levará a experimentar patamares mais altos, apenas o estrangeiro foi capaz de retornar, de dar meia volta e se curvar diante daquele que começava a mudar a sua trajetória de vida. Não sabia ele que o seu pequeno gesto seria capaz de lhe proporcionar algo ainda melhor. Diante de sua singela atitude, ouviu a seguinte frase: “Levanta-te e vai, a tua fé te salvou”.
Portanto sempre valerá a pena demonstrar gratidão diante de todos os homens, mas  principalmente diante de Deus, pois Ele sempre tem o melhor para todos aqueles que procuram fazer a sua vontade (I Ts 5.18). Jesus diante daquele coração cheio de fé e gratidão não poderia dispensá-lo sem antes oferecer-lhe o que Ele tinha de melhor, a vida eterna nos céus, oferecida gratuitamente a todos que se arrependem de seus pecados e o confessam como senhor de suas vidas.

Soli Deo Glória


Juvenal M. de Oliveira Netto 

4 comentários:

  1. A gratidão é fundamental na vida do cristão. Somos abençoados através dela e agradamos o coração de Deus. Excelente artigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E como é difícil agradecermos por àquelas que nos parecem ser ruins, aí nos lembramos do que disse Paulo: "todas as coisas contribuem juntamente para bem daqueles que amam a Deus" Em 8.28

      Excluir
    2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  2. A gratidão é fundamental na vida do cristão. Somos abençoados através dela e agradamos o coração de Deus. Excelente artigo.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto

Sou casado com Nilcéia e temos duas lindas filhas. Me alistei no Exército de Cristo a cerca de 24 anos atrás. Desde então meu alvo é agradá-lo em tudo o que faço. Meu maior prazer é anunciar as boas notícias do Senhor Jesus, sendo um profeta (aquele que fala em o nome do Senhor) para esta geração.