sábado, 4 de fevereiro de 2017

“SE REVIRANDO NO TÚMULO”



Esta prosopopeia é muito utilizada para afirmar que as ideias e posicionamentos de uma pessoa já falecida estão sendo confrontados ou contrariados. Normalmente esta figura de linguagem faz menção a alguém que exerceu algum tipo de influência sobre a sua geração ou gerações vindouras como grandes pensadores, líderes das mais variadas áreas, inventores, atores, cantores e outros.

O apóstolo Paulo, também conhecido como Paulo de Tarso, foi um dos líderes mais proeminentes da história do cristianismo. Escreveu treze cartas com exposições doutrinárias e apologéticas que vem norteando a vida de milhares de cristãos desde o seu encontro com Jesus, por volta do ano trinta e sete até os dias atuais. Dentre a cristandade, independente da linha teológica adotada, ele é uma figura respeitada e seus escritos são normalmente aceitos como inspiração divina, não obstante, o que se vê nos dias atuais é um grande número de “líderes cristãos” ensinando doutrinas totalmente contrárias as suas, dentre elas o “triunfalismo”, que prega um cristianismo sem sofrimento, dor ou perseguição; alguns deles chegam ao extremo, afirmando que quando isto acontece na vida de um cristão é porque ele não tem fé suficiente ou está em pecado.

Logo no início de seu ministério, na sua primeira viagem missionária, o apóstolo Paulo acompanhado por Barnabé depois de ter pregado em várias cidades e ter feito muitos discípulos, revolveu retornar as cidades de Listra, Icônio e Antioquia com o objetivo de fortalecer lhes a fé. Paulo fez questão de salientar que eles deveriam estar preparados para passar por muitas tribulações a fim de entrar no reino de Deus (Atos 14.22).

Paulo foi chamado para ser um pregador do evangelho e nem por isso foi poupado do sofrimento, pelo contrário, foi açoitado, perseguido, humilhado, sofreu naufrágios, passou fome, mas jamais ficou se lamuriando ou reclamando (Atos 9.16; 2 Coríntios 11. 23-27). Quando escreve aos Filipenses estando ele preso, o que mais dá ênfase é na alegria que sentia de poder servir a Cristo, pois ele tinha consciência da grande recompensa que o aguardava (Filipenses 1.4; 4.4, 10,11). Paulo nos dá o exemplo de que a nossa comunhão com Cristo e a certeza da vida eterna devem ser as nossas maiores motivações em servi-lo e não apenas a de ser poupado de sofrimentos neste mundo.

Deste modo, utilizando esta expressão meramente como uma figura de linguagem, “Paulo deve estar se revirando no túmulo” pelas aberrações que andam ensinando por aí em seu nome.

Sola Scriptura

Juvenal Mariano de Oliveira Netto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu

Minha foto

Sou casado com Nilcéia e temos duas lindas filhas. Me alistei no Exército de Cristo a cerca de 25 anos atrás. Desde então meu alvo é agradá-lo em tudo o que faço. Meu maior prazer é anunciar as boas notícias do Senhor Jesus. Autor do livro "CRIANDO RAÍZES - Amadurecendo Espiritualmente".