segunda-feira, 4 de abril de 2016

PARE DE SOFRER...



Muitos já tentaram ao longo de centenas de anos decifrarem os códigos das possíveis causas para o sofrimento humano, mas, até o momento, ninguém conseguiu chegar a um denominador comum. Acredito que o que levou você a começar a ler este texto foi a curiosidade em saber a fórmula para se evitar tamanha dor, os porquês de seus tantos sofrimentos. Quem nunca sofreu? Quem já não viveu momentos tenebrosos? Uma coisa é certa, neste exato momento, milhares e milhares de pessoas estão sofrendo por uma infinidade de causas, o que poderia diferenciar uma das outras, seria a intensidade da sua dor, dor esta que não está relacionada apenas ao corpo físico, mas muitas vezes vai além, atingindo a sua alma e emoções.
Utopia de minha parte pensar que seria capaz de explicar as causas para o sofrimento, a dor, a angústia e o mais importante, imaginar que poderia oferecer a solução por tudo isto vivenciado diuturnamente por grandes multidões, entretanto, sem querer me colocar em uma posição proeminente aos profissionais da área, tais como: Médicos, terapeutas, Líderes espirituais, filósofos, sociólogos e outros que estudaram mais a fundo acerca do comportamento e fisiologia humanos. Gostaria de compartilhar alguns pontos que possam ajudar àqueles que andam assolados pelo sofrimento sem conseguirem enxergar uma saída.
Porque sofremos tanto? Seria algum tipo de carma? Seria algo genético? Quem nunca se perguntou o porquê estar passando por tamanha dor? Recentemente em um comercial de TV foi dito que o que move o mundo não são as respostas, mas as perguntas.
Sem querer espiritualizar tudo, como muitos fazem ao tratar deste assunto, quero voltar no tempo até encontrar o inicio de tudo. Você sabia que o primeiro casal que pisou neste planeta viveu imune ao sofrimento por um grande período de tempo? Sabia também que foi por um ato de desobediência deles ao Criador que foi aberto o portal para a entrada do sofrimento na vida humana, além de muitas outras terríveis implicações (Gênesis 3.16)?
Então já constatamos que o sofrimento não é privilégio apenas de um grupo seleto. Toda a raça humana, sem exceção, foi sentenciada a passar por estas amargas experiências a partir da entrada do pecado no mundo, alguns com mais intensidade e por um período de tempo maior, já outros nem tanto, certo é que se você não passou ainda por um momento de sofrimento, algo que considero pouco provável, se prepare, pois um dia ele baterá a sua porta de maneira inopinada, faz parte da vida na terra.
Já vimos que todos têm que aprender a lidar com esta aflição, mas também não gostaria de ser tão simplista ao ponto de colocar toda a culpa pelo sofrimento no pecado, pois ele foi apenas a porta de entrada. Porque sofremos então? Seria Deus um carrasco, insensível, desprovido de amor? Muitas são as razões para as aflições, inclusive a de não haver razão alguma a não ser a de que já nascemos pecadores (Romanos 5. 17-20).
Muitas pessoas sofrem com um tipo de sofrimento denominado, por mim mesmo, de “miragem do deserto”, ou seja, na verdade, não existe causa alguma para a sua dor. São criações imaginárias da nossa mente que mesmo sem causa levam milhares de pessoas aos consultórios terapêuticos, são as chamadas doenças psicossomáticas.
           É normal vermos pessoas diante da dor e do sofrimento, de imediato tentando colocar a culpa em Deus ou no diabo. Às vezes o sofrimento é simplesmente resultado de nossas más escolhas, veio porque decidimos ir por um caminho errado, optamos por fazer algo de maneira errada. O livro de Provérbios diz o seguinte: “Há um caminho que parece direito ao homem, mas o seu fim são os caminhos da morte.” (Provérbios 16.25).
Para alguns de nós, o sofrimento é a única maneira que Deus tem para nos ensinar a vivermos melhor; para reconhecermos quem somos verdadeiramente, pó; para arrancar de nós toda a altivez, arrogância e presunção; para descermos as escadas da humildade. Todos nós aprendemos algo depois de ter experimentado um grande momento de sofrimento; a tendência é tornarmos mais humanos, altruístas e darmos mais valor a vida. É o tipo de estágio de aprendizado que ninguém quer passar, mas se faz necessário para o nosso crescimento.
Deus ao criar o mundo, Ele resolvera deixar por último a sua verdadeira obra prima, o homem. Desde a sua criação este ser fantástico, maravilhoso, misericordioso, amoroso, vem tentando a todo o custo atrair a minha e a sua atenção e, infelizmente, muitas vezes, sem sucesso. Só nos lembramos Dele para pedir alguma coisa; quando alguma coisa ruim acontece, logo colocamos a culpa Nele; quando somos agraciados com belas coisas, nem sequer lhe agradecemos, afinal de contas, fizemos por merecer, não é mesmo? Pelo amor que este Deus tem por cada um de nós e devido à dureza do nosso coração, Ele resolve utilizar o último remédio, amargo, ruim, mas será a sua última investida para trazermos a sua presença. Ele permite que o sofrimento chegue até nós. Como um pai que corrige rispidamente um filho por querer ver o seu bem no futuro. (Hebreus 12.5-6).
 Se você conseguiu chegar até aqui na leitura, deve estar se perguntando: Cadê as soluções para o meu sofrimento? Qual a fórmula? Muita gente de forma até irresponsável tem feito promessas infundadas para o homem se livrar do sofrimento, utilizam um jargão atrativo e convincente, pelo menos para os mais desesperados, “pare de sofrer”.
Apesar de não existir uma fórmula mágica para nos livrarmos do sofrimento, existem mecanismos que certamente nos ajudarão a conviver com ele de forma mais amena e suportável. Primeiro, entender que o sofrimento é algo inerente aos seres humanos, segundo, ter a consciência que sempre haverá um aprendizado e terceiro, crer que existe um Deus nos céus que nos ama muito e não ficará surdo ao clamor de um coração contrito.
Davi, um homem considerado segundo o coração de Deus, escreveu um lindo texto baseado em suas experiências com o altíssimo: “Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte (sofrimento intenso), não temeria mal algum, pois Tu estás comigo, a tua vara e o teu cajado me consolam” (Salmos 23.4). Deus não poupou a Davi de passar por momentos de aflições, mas esteve presente a todo o momento com ele oferecendo todo o suporte a fim de que conseguisse vencer, assim como também faz com cada um de nós.
Destarte, quero concluir afirmando que no mundo todos passaremos por aflições, mas devemos ter bom ânimo e enxergarmos, ainda que na dor, que precisamos de Jesus bem pertinho de nós. Ele foi o único homem que poderia ter optado por não experimentar o sofrimento, entretanto, preferiu voluntariamente sofrer, e muito, ao ponto de ser crucificado numa cruz, para nos libertar do sofrimento eterno, o inferno. Ele padeceu horrores, morreu, mas ao terceiro dia ressuscitou e vive para sempre, assim também todos aqueles que nele crerem poderão passar por sofrimentos, mas terão a garantia de vida eterna, por tudo isto, afirmo: “PARE DE SOFRER”. (João 16.33; I Coríntios 6.14; II Coríntios 4.14-18).

Soli Deo Glória

Juvenal Mariano de Oliveira Netto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu

Minha foto

Sou casado com Nilcéia e temos duas lindas filhas. Me alistei no Exército de Cristo a cerca de 24 anos atrás. Desde então meu alvo é agradá-lo em tudo o que faço. Meu maior prazer é anunciar as boas notícias do Senhor Jesus, sendo um profeta (aquele que fala em o nome do Senhor) para esta geração.