sábado, 11 de julho de 2015

ONDE ENCONTRAR A IGREJA PERFEITA?


Primeiramente, gostaria de esclarecer o verdadeiro significado da palavra “Igreja”. Aqui no Brasil costumamos definir “Igreja” de forma equivocada por não conhecermos a origem da palavra e acabamos tomando como base os costumes e as tradições. É bastante comum ouvirmos a seguinte expressão por parte de religiosos, praticantes ou não: “Eu vou à Igreja hoje”. A expressão correta deveria ser: “Eu vou ao Templo hoje”. Por quê? A palavra grega no Novo Testamento para Igreja é “ekklesia”, que significa “uma assembleia ou comunidade de chamados para fora ou ainda, assembleia dos santos” (At. 11:22, 13:1; I Co. 14:19, 35; Rm.16.5; Ef.5.32). Não devemos confundir a construção, os Templos, com a Igreja. Os templos são construídos com a finalidade de reunir a Igreja, definida como um grupo de pessoas com o intuito de adorar a Deus e servi-lo com seus dons e talentos.
Muitas pessoas hoje vivem perambulando de templo em templo em busca de uma Igreja perfeita. Tenho para estas pessoas uma notícia não muito boa: Vocês jamais encontrarão tal Igreja, pois não existem pessoas perfeitas, a única diferença de um cristão autêntico, para aqueles que não professam nenhuma fé, é que o cristão não vive dominado pelo pecado (1ªJo 3.9). O pecado na vida de um servo de Deus é como um acidente de percurso, ele não tem mais prazer nele e toda vez que peca, o Espírito Santo, que habita nele, o constrange ao ponto dele se arrepender e confessá-lo a Deus que estará “setenta vezes sete” pronto a nos perdoar (Mt. 18.22). Lógico que este termo é uma figura de linguagem, Jesus estava apenas ensinando aos seus discípulos que não há limites para se perdoar ao próximo, imaginemos então quantas vezes Deus estará pronto a nos conceder o seu perdão. O Apóstolo Paulo afirma que o seu alvo sempre seria buscar o crescimento e, consequentemente, poder alcançar a perfeição. Ele deixa bem claro que ainda não havia alcançado (Fl 3:12-15). Não estamos falando de qualquer pessoa e sim do maior evangelista de todos os tempos, que escreveu praticamente a metade dos livros que compõem o Novo Testamento. Eu creio que por mais que nos santifiquemos e busquemos uma vida de intimidade com Deus, neste mundo, jamais alcançaremos a tão sonhada perfeição. O grande problema das pessoas que buscam a Igreja perfeita é que elas mesmas têm consciência de que não o são, mas querem a todo custo buscar a perfeição no próximo.
Já que não existe nenhuma Igreja perfeita, então posso afirmar que não há parâmetros a serem observados na escolha da Igreja a congregar? Em hipótese alguma, o fato de ter afirmado isto, não quer dizer que devemos adentrar em qualquer porta com uma placa denominacional para congregar sem fazer uma profunda avaliação. Quais os critérios a serem observados na escolha desta Igreja a frequentar e a servir ao Senhor?
A primeira coisa a fazer é buscar insistentemente ao Senhor pedindo discernimento e orientação em relação a esta escolha (Jr 33.3). Agora isto nada adiantará se não nos submetermos inteiramente a sua vontade, aniquilando totalmente o nosso “EU”, abrindo mão de preconceitos, dogmas, tradições ou influência meramente humana. Nossa visão humana é muito limitada, Deus vê além e o seu desejo é que caminhemos no centro da sua vontade (Is. 55.8-9; Jo 3.8). Um grande equívoco nosso é que buscamos uma Igreja que atenda as nossas necessidades e que melhor nos sirva.
A segunda coisa a fazer é procurar identificar se o líder espiritual desta Igreja possui realmente chamado Ministerial (Jr 3:15). Primeiramente devemos conhecer as principais funções de um Ministro do Evangelho. O líder espiritual tem a responsabilidade, dentre muitas outras, a de amar e cuidar das ovelhas, tratando as suas feridas e retirando os seus carrapichos, alimentando-as com alimento espiritual sólido que vai fortifica-la cada vez mais no exercício de sua fé, orientando-a a fim de que esteja pronta a chegar ao céu. Certificar-se de que este líder possui formação teológica, não que isto sirva como parâmetro para identifica-lo como Ministro ou não, mas a preparação é essencial para lhe dar suporte e poder exercer bem o seu Ministério. Ainda que ele possua um chamado, como irá ensinar e orientar as suas ovelhas, se ele mesmo não conhecer profundamente a bíblia.
A terceira coisa a observar é se esta Igreja tem como regra de fé e prática a Bíblia Sagrada (2Tm. 3:14-17; Tg. 1:22). Verificar se esta Igreja segue a doutrina dos apóstolos (At. 2:42). O grande dilema é que muita gente confunde doutrina com tradição e usos e costumes, como por exemplo, o bater palmas, o tipo de liturgia a ser utilizada e o padrão de vestimentas a serem usadas. O único padrão bíblico para as vestimentas a serem usadas é a decência. Alguns chegam até a afirmar que a sua Igreja pratica a melhor doutrina pelo fato de adotarem regras comportamentais mais rígidas. O que difere doutrina dos Apóstolos, de tradições e usos e costumes é que a doutrina é pautada totalmente na Bíblia, enquanto que as tradições e costumes nem sempre são oriundos das sagradas escrituras, algumas delas são mandamentos de homens (Mc 7.8; Tito 1: 14). Outro problema é que muitas pessoas “acham” que sabem muito da bíblia e procuram uma Igreja em que concordem cem por cento com o que ali é ensinado. Isto é uma utopia, pois é muito difícil concordarmos teologicamente com tudo, sempre existirá um ou outro ponto de discordância. Devemos então buscar a Igreja que mais se aproxime das Escrituras. Entre as Igrejas evangélicas mais antigas, existem vários pontos divergentes em relação às interpretações da bíblia, porém nada que prejudique ou impeça o homem de ir morar no céu. 
Há algum tempo atrás, quando me decidi a buscar e servir a Deus, quase enlouqueci, pois cada um religioso, de vários credos, falava uma coisa acerca da bíblia. Então parei de consultar estas pessoas e decidi não mais ler a bíblia como antes, abrindo uma página aleatoriamente. Resolvi ler toda a bíblia, começando pelo Novo Testamento e depois partindo para o Antigo Testamento. Lia e rogava a Deus que me desse entendimento. Quando terminei de ler toda a bíblia, as minhas maiores dúvidas já haviam sumido e pude entender o plano de Deus para salvar a humanidade, que a meu ver, é o ponto crucial das Escrituras.
É muito comum também as pessoas afirmarem que estão nesta ou naquela Igreja porque se sentem bem, porém este não deve ser o ponto mais importante a ser observado, diria que é o que menos importa, pois o que adianta se sentir bem e no final de tudo ir para o inferno devido a um falso ensinamento, seja ele pautado na "bíblia" ou não.
Existem muitas pessoas insatisfeitas nas Igrejas, algumas com motivo justificável outras não, querem que tudo mude e fique do jeitinho que elas pensam . O pior de tudo que estas pessoas não se decidem em congregar em outro lugar, ao invés disto, ficam tumultuando, protestando, agindo como crianças mimadas, fazendo pirraça, enfim, se rebelando contra a liderança, vindo a se tornar um instrumento de satanás, ainda que de forma inconsciente, para destruir a Obra do Senhor naquele lugar.
Portanto se você se encontra insatisfeito com a sua Igreja ou não está congregando em lugar nenhum, lembre-se que jamais encontrará uma perfeita, porém observe os critérios descritos acima, pois eles serão cruciais para você congregar e poder desenvolver o seu Ministério, estando pronto para o arrebatamento da Igreja, que está cada vez mais próximo. Concluo deixando para todos o texto escrito na carta aos Hebreus: "Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima." (Hb.10:25) 

Soli Deo Glória

Juvenal M. de Oliveira Netto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu

Minha foto

Sou casado com Nilcéia e temos duas lindas filhas. Me alistei no Exército de Cristo a cerca de 24 anos atrás. Desde então meu alvo é agradá-lo em tudo o que faço. Meu maior prazer é anunciar as boas notícias do Senhor Jesus, sendo um profeta (aquele que fala em o nome do Senhor) para esta geração.