quarta-feira, 17 de agosto de 2016

A PROSPERIDADE A LUZ DO EVANGELHO



Mais nefasta que uma mentira é uma meia verdade. A igreja cristã desde a sua origem tem lutado contra os falsos ensinos. Uma mentira é logo rechaçada, mas, uma meia verdade pode enganar muita gente. O apóstolo Paulo em suas cartas as igrejas, advertiu inúmeras vezes sobre o perigo dos ensinos fraudulentos em relação ao evangelho de Cristo. (Gl. 1.8; Rm. 16.17-18; Fl. 3. 17-21; 1Tm. 1. 3-7, 6. 3-10).
Dentre tantos ensinos perniciosos no meio cristão na atualidade está a chamada “Doutrina da Prosperidade”. Esta doutrina ensina que todo cristão deve prosperar, dando ênfase ao enriquecimento, ao acúmulo de bens e a busca por um estilo de vida com toda abastança. Ensina ainda que aqueles que não conseguem ser bem-sucedidos é porque tem pouca fé ou porque “semeiam pouco”, uma expressão utilizada para aqueles que não contribuem com a sua igreja de maneira satisfatória, ou seja, quanto maior for a contribuição, segundo eles, maiores serão as bênçãos recebidas. Este conceito menospreza a salvação, deixando-a em segundo plano; pouco fala sobre a vida eterna nos céus, o seu evangelho é terreno. Cita como exemplo alguns personagens bíblicos que foram ricos para sustentar a sua tese. Os líderes deste movimento procuram ostentar, vivendo um padrão de vida acima da média, a fim de persuadir os seus fiéis.
Não existe fundamento algum para tal ensino. Toda a base para o Cristianismo está estabelecida nos ensinamentos do próprio Cristo e não em outros personagens por mais importantes e significativos que tenham sido. O nosso mestre nasceu numa manjedoura, disse que não tinha onde reclinar a sua cabeça, inclusive, este foi um dos motivos que levaram os judeus a o rejeitarem, pois, eles esperavam um Messias cheio de pompa, assentado em um trono terreno (Lc. 9.58). Ensinou que não deveríamos acumular riquezas neste mundo, onde a traça, a ferrugem e os ladrões as consomem, mas, nos céus (Mt. 6.19-21). Contou uma parábola para os seus discípulos sobre um homem que vivera em função de acumular riquezas e a advertência para ele foi a seguinte: “Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado para quem será?” Jesus sabe o perigo da busca desequilibrada por riquezas e a possibilidade do homem se tornar avarento e escravo da mesma (Lc. 12. 13-20). Disse para um grupo de publicanos que não deveriam pedir mais do que lhes estava ordenado, mas, que deveriam se contentar com os seus soldos (Lc. 3. 13-14). Após o contato com um jovem rico que não quis abrir mão de suas riquezas para segui-lo, alertou os seus ouvintes do quanto é difícil um rico entrar no reino dos céus, pois, a tendência humana é colocar o seu coração nas riquezas (Mt. 19. 16-30). Em nenhum momento Jesus prometeu para aqueles que o seguissem, obter enriquecimento milagroso, sem trabalhar honestamente e arduamente; Não prometeu para os seus discípulos que usufruiriam “o melhor desta terra”, pelo contrário, reagiu a uma multidão interesseira dizendo: “trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que subsiste para a vida eterna, a qual o Filho do Homem vos dará; porque Deus, o Pai, o confirmou com o seu selo”.
Cristo veio a este mundo com único objetivo: Saldar a nossa dívida, salvando a todos quanto o reconhecerem como senhor e salvador. Reconduzir o homem perdido novamente a Deus e não simplesmente lhe oferecer riquezas terrenas (Mt. 18.11; Jo. 3.17; Cl 2. 13-14; 1 Tm. 1.15; Hb. 9. 15).
Sendo assim, compreendemos que Cristo em nenhum momento faz apologia a pobreza ou inibe as pessoas a prosperarem financeiramente, entretanto, faz questão de enfatizar a busca pelo Reino de Deus em primeiro lugar e, como consequência desta atitude, tudo o que for necessário para termos uma vida digna, Ele nos dará (Mt 6. 33). A isto sim podemos chamar de uma verdadeira vida próspera.

Soli Deo Glória!!! 
Juvenal Mariano de Oliveira Netto


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu

Minha foto

Sou casado com Nilcéia e temos duas lindas filhas. Me alistei no Exército de Cristo a cerca de 24 anos atrás. Desde então meu alvo é agradá-lo em tudo o que faço. Meu maior prazer é anunciar as boas notícias do Senhor Jesus, sendo um profeta (aquele que fala em o nome do Senhor) para esta geração.