terça-feira, 10 de maio de 2016

A PÓS-MODERNIDADE E O SURGIMENTO DOS “PROFISSIONAIS DO PÚLPITO”



Diante de um público cada vez mais exigente neste período pós-moderno, os líderes das igrejas evangélicas no Brasil tem procurado inovar tanto na maneira como se portam quanto no teor das mensagens a serem transmitidas nos púlpitos de suas igrejas. Cabe primeiramente ressaltar que este tipo de exigência a qual se faz referência, não tem relação com a luta por uma exposição fidedigna as escrituras, mas a uma mensagem que traga algum tipo de êxtase, que dê uma injeção de ânimo aos mais prostrados e desanimados, como uma autoajuda disfarçada. Querem ouvir somente coisas boas que não os confrontes, como aqueles textos das caixinhas de promessas que só possuem garantia de bênçãos e mais nada.
Como consequência desta exigência surgem os chamados “profissionais do púlpito”, apóstolos, bispos, pastores, pregadores itinerantes e outros títulos mais, dados a homens que pregam de acordo com o gosto do freguês, como que para agradar a pessoas e não a Deus. Apesar de ter sido mencionado na introdução a questão da premissa por mensagens cada vez mais atrativas, existem outros motivos pelos quais tem levado muitos pregadores a se tornarem “profissionais”.
Um ministério bem sucedido hoje é medido exclusivamente pelo número do seu rebanho. Esta realidade pode mexer muito com a autoestima de um líder ao ponto de fazê-lo mudar o seu modo de pregar para atrair mais pessoas para o seu aprisco. Hoje existem estilos para todos os gostos, animadores de plateia, figurinistas, comediantes, personagens dos mais variados, desde boiadeiro a pop star.  Não há nada de errado em cada um ter o seu próprio estilo na maneira de transmitir a mensagem, desde que seja autêntico; fiel às escrituras e tenha como único propósito o de trazer edificação para todos que o ouvem.
O ministério da Palavra para um considerável grupo de líderes já deixou a muito tempo de ser ministério e se tornou um mero emprego como outro qualquer. Para estes o que lhes importa é tão somente agradar àqueles que irão lhes oferecer o seu sustento; o que mais importa não é o estado da ovelha e sim se ela está sendo fiel no seu dízimo e assim manter as contas da congregação em dia e garantir o seu emprego. Não se deseja, em hipótese alguma aqui, ir de encontro ao ensinamento Bíblico sobre o dízimo e sim sobre a ênfase que muitos dão a este assunto em detrimento de outros muito mais sérios e comprometedores descritos nas escrituras.
A falta de temor a Deus tem sido também uma das causas do surgimento destes profissionais. Pessoas que estudaram tanto e que se sentem tão capacitadas que desprezaram a humildade e a dependência de Deus. A falta de temor faz com que elas se achem no direito de falar qualquer coisa; veem com naturalidade pregar em cima de um esboço sem sequer perguntar a Deus se é isto mesmo que Ele deseja falar aquele público, naquele momento; acham desnecessário gastar horas em oração se preparando para pregar o seu sermão. O Apóstolo Paulo, um homem extremamente culto, quando escreve a Igreja de Corinto afirma que pregava não baseado na sua intelectualidade, mas na experiência vivida diuturnamente na presença de Jesus (1ª Coríntios 2. 4-5). Jonathan Edwards pregou um sermão que foi considerado o maior de todos os tempos, que tinha como tema: “Pecadores nas mãos de um Deus irado”. A história conta que Edwards leu todo o seu sermão escrito e que no fim, mesmo sem ter feito apelo algum, as pessoas vinham aos prantos ao altar entregando suas vidas a Jesus. Se alguém pegar este mesmo sermão hoje e pregá-lo, será que terá o mesmo efeito? Certamente que não, pois na verdade não foi o conteúdo de seu sermão apenas e sim a sua intimidade para com Deus adquirida através de horas de oração que produzira tamanho efeito.
É lamentável para cristãos fiéis chegarem à conclusão de que seus líderes se tornaram meros “profissionais do púlpito”. O que muito cristão gostaria de falar para estes homens e muitas vezes não tem oportunidade e nem coragem para fazê-lo? Acredita-se que seria mais ou menos o seguinte:
- Mesmo sabendo que são imperfeitos, gostaria de vê-los se esforçando mais para viver exatamente aquilo que pregam (1ª Coríntios 9.27);
- Façam tudo debaixo da direção de meu Deus e não para me agradar, pois fazendo assim estarás me conduzindo na direção certa e me ajudando a chegar aos céus (Jeremias 3.15);
- Me corrijam, me admoestem, me repreendam, mas sempre de forma discreta, dentro dos seus gabinetes e nunca indiretamente em público de cima do púlpito, a não ser que a mensagem de repreensão seja para todos de uma forma geral;
- Não subjuguem a minha inteligência e o meu discernimento, pois o Espírito que o iluminam é o mesmo que habita em mim e a Palavra que usam como referência, eu também a tenho em minhas mãos e a conheço (1ª Coríntios 12.9);
- Me tratem sempre simplesmente como ovelha, não como cliente, opositor, crítico, ou qualquer outra coisa que seja, ainda que pensem diferente, só Deus conhece o meu coração (2ª Timóteo 2. 24-25);
- Nunca tentem me impressionar com gritos, gestos e outros recursos externos, pois a unção é invisível e perceptível para aqueles que estão em espírito (Atos 4.13);
- Priorizem sempre pessoas e não compromissos ou outros afazeres ligados ou não a religião. Saibam distinguir e dar prioridades as questões humanas e administrativas;
- Temam sempre a Deus, sejam autênticos e não se deixem vencer pela vaidade e a prepotência (Provérbios 9.10; 16.18); e
- Gastem tempo na meditação da Palavra e na oração, pois fazendo assim sempre terás um alimento sólido a me oferecer e me ajudar na caminhada cristã (Ezequiel 34. 1-5).
Portanto, o púlpito é o único lugar onde não há espaço para “profissionais”, ou seja, para encenações, hipocrisias ou qualquer outra metodologia humana utilizada com o único propósito de atrair ou agradar irresponsavelmente as pessoas; inflar o ego; passar uma imagem ilusória sobre si mesmo; ou até mesmo ganhar dinheiro. O Apóstolo Paulo orienta o seu filho na fé, o jovem Pastor Timóteo, dizendo o seguinte: “Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina." (2ª Timóteo 4.2). Acrescenta-se a esta afirmativa o seguinte: Mesmo que não haja um belo púlpito e uma considerável platéia o pregador deve agir e viver da mesma maneira sempre, sendo, independente de títulos, simplesmente um "Homem de Deus".

Soli Deo Glória!
Juvenal Mariano de Oliveira Netto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu

Minha foto

Sou casado com Nilcéia e temos duas lindas filhas. Me alistei no Exército de Cristo a cerca de 24 anos atrás. Desde então meu alvo é agradá-lo em tudo o que faço. Meu maior prazer é anunciar as boas notícias do Senhor Jesus, sendo um profeta (aquele que fala em o nome do Senhor) para esta geração.