quinta-feira, 17 de março de 2016

INTEGRIDADE: ISTO AINDA É POSSÍVEL?



Está cada vez mais difícil ser honesto, pelo menos em nosso país. Ficaríamos menos angustiados se a corrupção fosse exclusividade de políticos e seus partidos, ou de algum órgão específico. Pior que não é; ela se instalou, se instalou não, muito mais, ela se enraizou em toda a sociedade brasileira. Fazer o correto, ser honesto, procurar ser justo, cumprir a lei, tudo isto virou coisa de “otário”, na linguagem popular. Afinal de contas todo mundo rouba, transgridem as leis, é absolutamente normal. A propina, o gato na luz, o furar a fila, o sonegar impostos, receber algum tipo de vantagem, etc. Tudo isto é visto com muita naturalidade e, ai daquele que resolver discordar destas práticas. Arranjaram até um apelido para quem procura ser íntegro. Estas pessoas são tidas como “caxias”, “puxa-saco”, “fundamentalista”, “radical”, “utópico” e muitos outros adjetivos pejorativos, como se elas estivessem no erro.
Existem medidas muito simples a serem tomadas a fim de diminuir estas distorções de caráter, entretanto chegamos à conclusão que, simplesmente, não há nenhum interesse nisto. Todo mundo se acostumou com a famosa “lei de Gérson”, querer levar vantagem em tudo e a olharem apenas para o seu umbigo, o próximo, este que se vire.
Há algum tempo atrás acreditava que a burocracia existente em vários órgãos públicos e privados, tinha como finalidade a lisura, a fim de realizar as coisas de um modo mais correto possível. Quanta ingenuidade a minha, hoje enxergo que toda esta burocracia é proposital, intencional, para forçar os esquemas. A burocracia dá sustentabilidade à corrupção.
Não sei qual a realidade em outros estados, por isto me pronunciarei em relação ao meu, o Rio de Janeiro, especificamente sobre o Departamento de Trânsito (DETRAN-RJ), mas poderia citar aqui muitos outros órgãos, mas deixarei para outra oportunidade. Uma burocracia enorme, vistorias de veículos realizadas por pessoas com capacidade técnica duvidosa, que são praticamente inquestionáveis durante as avaliações do seu veículo, induzindo um número significativo de pessoas a se proporem a “pagar por fora” para terem a sua aprovação e obter o documento de seu veículo. Ainda falando deste órgão, é um absurdo a quantidade e valores dos “DUDAS” a serem pagos, sem contar ainda com as Blitz, que deveriam focar bandidos, armas, drogas, mas, infelizmente, o alvo da maioria destas blitz é para apreender os veículos, cujos donos não pagaram em dia o IPVA do seu carro. Quero deixar bem claro que não sou contra as blitz e nem quanto à apreensão dos veículos com irregularidades, entretanto, o que oferece mais risco a nossa sociedade? Sem contar com as empresas terceirizadas de guinchos, depósitos com diárias a preços exorbitantes e, pior, muitas vezes pertencentes a pessoas com funções em órgãos públicos fiscalizadores, ou seja, muita gente ganha com isto.
Às vezes me sinto como se estivesse dentro da “GRANDE BABILÔNIA” uma cidade usada de maneira metafórica pela Bíblia para descrever um grande sistema corrompido e dominado por seres espirituais, normalmente intitulados como “demônios”.
Existe um dito popular que diz: “água mole e pedra dura tanto bate até que fura”. O grande desafio para todos os brasileiros não é ser honesto, fazer as coisas certas, etc. O grande desafio é permanecermos íntegros, inalteráveis em nosso caráter. Um grande grupo de pessoas vem se rendendo a este sistema cruel e desumano pela chamada lei da sobrevivência, ou seja, se não se render poderá pagar um alto preço, inclusive com a perda da própria vida.
Não adianta os brasileiros irem às ruas e pedirem mudanças no governo, o fim da corrupção, o apoio incondicional aos juízes, como o Sérgio Moro, isto deve ser só o começo. É preciso que esta mudança de comportamento, de caráter, comece em mim e em você, a fim de termos moral para realizarmos críticas e cobrarmos proceder ético e moral aos outros, senão, seremos meros hipócritas, fazendo discursos evasivos e sem credibilidade alguma.
Nós não somos obrigados a nos rendermos a este sistema babilônico, sabemos que é difícil e que provavelmente teremos que cortarmos na própria carne, mas é o único caminho a ser seguido, não por algum tempo apenas. Ser íntegro é ser inalterável, ou seja, mesmo que todos, a nossa volta se corrompam, nossa integridade nos levará a perseverarmos no caminho correto até o fim, sem pegarmos nenhum atalho, sem sermos influenciados, ainda que seja por uma multidão.
Para finalizar, a integridade não está, necessariamente, ligada a religião, até porque existem muitas pessoas comprovando com a sua maneira de viver que a religião não foi capaz de torná-lo íntegro.
Deus abençoe a nossa nação!!!!!
Juvenal Mariano de Oliveira Netto

“A sinceridade dos íntegros os guiará, mas a perversidade dos aleivosos os destruirá.” (Provérbios 11:3).
“E disse o Senhor a Satanás: Observaste o meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus e que se desvia do mal, e que ainda retém a sua sinceridade, havendo-me tu incitado contra ele, para o consumir sem causa.” (Jó 2:3).

3 comentários:

  1. Temos que ter coragem e enfrentar todas essas mazelas de cabeça erguida, mesmo que tenhamos que arcar com as mais sórdidas consequências. Para mudar o mundo, temos que começar por nós mesmos. Como diz o ditado: "A palavra convence, mas o exemplo arrasta".

    ResponderExcluir
  2. Um dos grandes problemas que o povo enfrenta é a falta de lideres, não chefes, que sejam referenciais. O exemplo deve começar a partir de Brasília.

    ResponderExcluir
  3. Um dos grandes problemas que o povo enfrenta é a falta de lideres, não chefes, que sejam referenciais. O exemplo deve começar a partir de Brasília.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto

Sou casado com Nilcéia e temos duas lindas filhas. Me alistei no Exército de Cristo a cerca de 24 anos atrás. Desde então meu alvo é agradá-lo em tudo o que faço. Meu maior prazer é anunciar as boas notícias do Senhor Jesus, sendo um profeta (aquele que fala em o nome do Senhor) para esta geração.